Histórico de edições

(37)
Seguiu o perfil de Jose Wilson Cabral
há 1 mês
Seguiu o perfil de Vanessa
há 1 mês
Seguiu o perfil de Hygor
há 1 mês
Seguiu o perfil de Juliana
há 4 meses
Seguiu o perfil de Ana Valeria
há 4 meses
Seguiu o perfil de Luiz
há 4 meses
Seguiu o perfil de Fernando
há 4 meses
Seguiu o perfil de Emilene
há 4 meses
Seguiu o perfil de Willer
há 4 meses
há 4 meses
RESUMO Objetiva-se no presente trabal... ...ório da contribuição sindical. Palavras-chave: Reforma Traba... ...ão Federal; Sindicato; Estado. 1. INTRODUÇÃO A contribuição sindical, desde... ...ominada “Reforma Trabalhista”. Nesta esteira, tem-se que se ... ...onsequências no caso concreto. Desse modo, busca-se traçar i... ...no qual esta foi instituída. Em seguida, pretende-se realiz... ...sto na Convenção n. 87 da OIT. Nesse sentido, será tratada a ... ...são sobre constitucionalidade. Ademais, serão traçadas humil... ...representatividade dos mesmos. Por fim, será realizada uma br... ...izada no Brasil até o momento. Neste diapasão, serão tratado... ...avanço no que toca a tal tema. Em relação à metodologia a se... ...sequências sobre o assunto. Para tanto, serão aplicadas té... ...que tratam do tema em questão. Oportuno ressaltar que, a des... ...s do Trabalho. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.html> Acesso em: 06 ago. 2018. BRASIL. Constituição (1934). Constituição Federal nº 1934, de 16 de julho de 1934. Brasília, DF, 16 jul. 1934. Disponível em: ">http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituição/constituicao34.htm>. Acesso em: 06 ago. 2018. BRASIL. Constituição (1988). Constituição federal 1988. 05 de Outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituição/constituição.htm>. Acesso em: 06 ago. 2018. DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: LTR, 2010; OLIVEIRA NETO, Alberto Emiliano de. Contribuições Sindicais: Modalidades de Financiamento Sindical e o Princípio da Liberdade Sindical. São Paulo: Ltr Editora, 2010. SUSSEKIND, Arnaldo; MARANHÃO, Délio; VIANNA Segadas; TEIXEIRA, Lima. Instituições de Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, 2005. LOLASSO, Maria Izabel Lozenzetti. Contribuição Confederativa e Liberdade Sindical. São Paulo: Editora Unimar, 1999. 110 p. SABBAG, Eduardo. Manual de Direito Tributário. 4. ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2012. 1156 p. COSTA, Regina Helena. Curso de Direito Tributário. 7. ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2017. 488 p. OLIVEIRA, Francisco Antonio de. Manual de Direito Individual e Coletivo do Trabalho. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2000. 513 p. JORGE NETO, Francisco Ferreira; CAVALCANTE, Jouberto de Quadros Pessoa. Direito do Trabalho. 8. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2015. 1487 p. DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 11. ed. São Paulo: Editora Ltr, 2012. 1488 p. CASSAR, Vólia Bomfim. Direito do Trabalho. 14. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2017. 1353 p. RUPRECHT, Alfredo J. Relações Coletivas de Trabalho, p. 86. SIQUEIRA NETO, José Francisco. Liberdade sindical e representação dos trabalhadores nos locais de trabalho. P. 29 NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Compêndio de direito sindical. 3. ed., p. 140-141. MARTINS, Sergio Pinto. Direito do Trabalho. 30. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2014. 990 p. SÜSSEKIND, Arnaldo et al. Instituições de Direito do Trabalho: Volume II. 21. ed. São Paulo: Editora Ltr, 2003. 1605 p. PINTO, José Augusto Rodrigues. Tratado de direito material do trabalho. p. 670-691. RUSSOMANO, Mozart Victor. Princípios Gerais de Direito Sindical. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2002. 298 p. HORTA, Denise Alves et al. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: Reforma Trabalhista Principais Alterações. São Paulo: Editora Ltr, 2018. 445 p. BRASÍLIA. STF. STF prossegue nesta sexta-feira (29) julgamento sobre fim da obrigatoriedade da contribuição sindical. 2018. Disponível em: ">http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=382756>. Acesso em: 28 jul. 2018. BRASÍLIA. Stf. Stf. STF declara constitucionalidade do fim da contribuição sindical obrigatória. 2018. Disponível em: ">http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=382819>. Acesso em: 29 jul. 2018. MARTINS, Sergio Pinto. Contribuição Sindical e a Reforma Trabalhista. Revista Síntese Trabalhista e Previdenciária, São Paulo, v. 29, n. 338, p. 17-22, ago. 2017 Disponível em: http://www.bdr.sintese.com/AnexosPDF/RST%20338_miolo.pdf >. BASSO, Maristela; POLIDO, Fabrício. A Convenção 87 da OIT sobre a liberdade sindical de 1948: recomendações para a adequação do direito interno brasileiro aos princípios e regras internacionais do trabalho. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, v. 78, n. 3, p. 124-219, jul./set. 2012 Disponível em: https://hdl.handle.net/20.500.12178/34308>. MARTINS, Ives Gandra da Silva. A contribuição sindical e sua natureza jurídica. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, SP, v. 81, n. 2, p. 88-106, abr./jun. 2015. Disponível em: https://hdl.handle.net/20.500.12178/95932>. MARTINS, Sérgio Pinto. Alguns aspectos sindicais da reforma trabalhista. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, SP, v. 83, n. 4, p. 326-336, out./dez. 2017. Disponível em: ">https://siabi.trt4.jus.br/biblioteca/acervo/Doutrina/artigos/Revista%20do%20TST%20v%2083%20n%204%202.... MACHADO, Marcel Lopes. A validade e eficácia das normas coletivas : mudança de paradigma interpretativo : Supremo Tribunal Federal e Lei 13.467/2017 (Reforma trabalhista) = The validity and effectiveness of collective norms : interpretive paradigm shift : Federal Supreme Court and Law 13.467/2017 (Labor reform). Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, Belo Horizonte, MG, n. especial, p. 169-185, nov. 2017. Disponível em: https://hdl.handle.net/20.500.12178/127071>. RIBEIRO, Fabio Túlio Correia. A reforma trabalhista sob a ótica da cláusula de vedação ao retrocesso social, observada a força centrípeta das contingências econômicas : um novo round de uma velhíssima batalha. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, SP, v. 83, n. 4, p. 95-155, out./dez. 2017. Disponível em:">https://siabi.trt4.jus.br/biblioteca/acervo/Doutrina/artigos/Revista%20do%20TST%20v%2083%20n%204%202.... ARIOSI, Mariângela F. Os efeitos das convenções e recomendações da OIT no Brasil. Disponível em: ">https://jus2.uol.com.br./doutrina/texto.asp?id=5946>. DANTAS JÚNIOR, Aldemiro Rezende. Fim da Contribuição Sindical Obrigatória: Consequências para as entidades sindicais e categorias representadas. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, Belo Horizonte, p.271-287, nov. 2017. Semestral. Disponível em:">https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/126611/2017_rev_trt03_especial.pdf?seque.... Acesso em: 06 ago. 2018. OLIVEIRA NETO, Alberto Emiliano de. Contribuições Sindicais: O Direito Fundamental da Liberdade Sindical e as Modalidades de Financiamento dos Sindicatos. 2008. 158 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Direito, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: ">http://livros01.livrosgratis.com.br/cp068932.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2018. CAVALCANTE, Marcos de Oliveira. O fim do imposto sindical compulsório como fator de maior representatividade sindical dos trabalhadores no Brasil. 2013. 62 f. Monografia (Especialização) - Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia, Departamento de Estudos, Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: ">http://bd1.trt1.jus.br/xmlui/bitstream/handle/1001/592420/TCC_DES_MARCOS_CAVALCANTE_versao_final_%28.... Acesso em: 11 ago. 2018. CELESTE, Rafael. Sindicalismo de Estado: O Poder Burguês dado aos trabalhadores. 2017. 64 f. Monografia (Especialização) - Curso de Direito, Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017. Disponível em: ">https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/182458/TCC%20RAFAEL%20CELESTE.pdf?sequence=1&.... Acesso em: 07 ago. 2018. OLIVEIRA NETO, Alberto Emiliano de. Sobre o fim da contribuição sindical. Jota. [s. L.], p. 1-1. 05 mar. 2018. Disponível em: ">https://www.jota.info/opiniaoeanalise/artigos/sobreofim-da-contribuicao-sindical-05032018>. Acesso em: 12 ago. 2018. ROCHA, José Ronaldo Alves; LINHARES, Felipe Augusto Félix. Um estudo sobre o impacto nos sindicatos com o fim da obrigatoriedade do recolhimento da contribuição sindical. Revista Jus Navigandi, [s. L.], p.1-1, ago. 2018. Disponível em: ">https://jus.com.br/artigos/68116/um-estudo-sobreoimpacto-nos-sindicatos-comofim-da-obrigatorieda.... Acesso em: 12 ago. 2018. ANDERSON, Rogério Oliveira. A natureza jurídica da contribuição sindical rural após a reforma trabalhista. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, n.5499, 22 jul. 2018. Disponível em: ">https://jus.com.br/artigos/62013>. Acesso em: 12 ago. 2018. MARTINS, Sergio Pinto. Contribuição sindical pode ser alterada por lei ordinária federal. Revista Consultor Jurídico, [s. L.], p.1-1, 11 jun. 2018. Disponível em: ">https://www.conjur.com.br/2018-jun-11/sergio-martins-contribuicao-sindical-alterada-lei-ordinaria>.... Acesso em: 12 ago. 2018. OLIVEIRA NETO, Alberto Emiliano de. Reforma trabalhista não tem capacidade de extinguir a contribuição sindical. Revista Consultor Jurídico, 11 mar. 2018. Disponível em: ">https://www.conjur.com.br/2018-mar-11/alberto-oliveira-reforma-nao-extinguir-contribuicao-sindical&g.... Acesso em: 11 ago. 2018. MELEK, Marcelo. O Projeto Arquitetônico da Reforma Trabalhista no Direito Sindical. Revista Eletrônica do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, [s. L.], v. 7, n. 63, p.7-19, nov. 2017. Mensal. Disponível em:">https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/121569/2017_rev_trt09_v0007_n0063.pdf?se.... Acesso em: 12 ago. 2018. ANDRADE, Luiz Gustavo de; PAVELSKI, Ana Paula. Reflexos da Reforma Trabalhista na Contribuição Sindical: Tributo que Persiste com Caráter Obrigatório. Revista Eletrônica do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, [s. L.], v. 7, n. 63, p.34-45, nov. 2017. Disponível em:">https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/121569/2017_rev_trt09_v0007_n0063.pdf?se.... Acesso em: 12 ago. 2018. IENNACO, Luiz Antônio de Paula. O SINDICALISMO BRASILEIRO NA NOVA ORDEM SOCIOECONÔMICA MUNDIAL. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, Belo Horizonte, v. 65, n. 35, p.113-124, jun. 2002. Disponível em: ">https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/73097/2002_iennaco_luiz_sindicalismo_bra.... Acesso em: 18 out. 2018. LEITE, Geraldo. CONTROLE DA ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PELO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Brasília: Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados, 2016. 41 p. Disponível em: ">http://www2.câmara.leg.br/atividade-legislativa/estudosenotas-tecnicas/areas-da-conle/tema6/11297_.... Acesso em: 20 out. 2018. LANDIM, Raquel. Sistema S ajuda sindicato patronal a viver sem imposto sindical. Folha de São Paulo. São Paulo, p. 1-1. 03 maio 2017. Disponível em: ">https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/05/1880554-sistemasajuda-sindicato-patronalaviver-sem.... Acesso em: 25 out. 2018. [1] DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 11. ed. São Paulo: Editora Ltr, 2012. p. 1421. [2] RODRIGUES, Leôncio Martins. Trabalhadores, Sindicatos e Industrialização. São Paulo. Brasiliense, 1974, p. 94. [3] MARTINS, Sergio Pinto. Direito do Trabalho. 30. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2014. p.776-777. [4] HORTA, Denise Alves et al. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: Reforma Trabalhista Principais Alterações. São Paulo: Editora Ltr, 2018. p. 298. [5] DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 11. ed. São Paulo: Editora Ltr, 2012. p. 1632. [6] "Art. 8º - É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: IV - a assembléia geral fixará a contribuição que, em se tratando de categoria profissional, será descontada em folha, para custeio do sistema confederativo da representação sindical respectiva, independentemente da contribuição prevista em lei;" [7] Súmula Vinculante400 - A contribuição confederativa de que trata o art. 8ºº, IV, daConstituição Federall, só é exigível dos filiados ao sindicato respectivo. [8] Precedente nº 119 TST - CONTRIBUIÇÕES SINDICAIS - INOBSERVÂNCIA DE PRECEITOS CONSTITUCIONAIS – (mantido) - DEJT divulgado em 25.08.2014: "A Constituição da República, em seus arts. 5º, XX e 8º, V, assegura o direito de livre associação e sindicalização. É ofensiva a essa modalidade de liberdade cláusula constante de acordo, convenção coletiva ou sentença normativa estabelecendo contribuição em favor de entidade sindical a título de taxa para custeio do sistema confederativo, assistencial, revigoramento ou fortalecimento sindical e outras da mesma espécie, obrigando trabalhadores não sindicalizados. Sendo nulas as estipulações que inobservem tal restrição, tornam-se passíveis de devolução os valores irregularmente descontados." [9] OJ 17 SDC - Contribuições para entidades sindicais. Inconstitucionalidade de sua extensão a não associados. (Inserida em 25.05.1998) - As cláusulas coletivas que estabeleçam contribuição em favor de entidade sindical, a qualquer título, obrigando trabalhadores não sindicalizados, são ofensivas ao direito de livre associação e sindicalização, constitucionalmente assegurado, e, portanto, nulas, sendo passíveis de devolução, por via própria, os respectivos valores eventualmente descontados. [10] “Art. 3o São prerrogativas dos sindicatos: f) impor contribuições a todos aqueles que participam das profissões ou categorias representadas. [11] MARTINS, Sergio Pinto. Direito do Trabalho. 28. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2012. p. 778 [12] "Art. 217. As disposições desta Lei, notadamente as dos arts 17, 74, § 2º e 77, parágrafo único, bem como a do art. 54 da Lei 5.025, de 10 de junho de 1966, não excluem a incidência e a exigibilidade: I - da"contribuição sindical", denominação que passa a ter o imposto sindical de que tratam os arts 578 e seguintes, da Consolidação das Leis do Trabalho, sem prejuízo do disposto no art. 16 da Lei 4.589, de 11 de dezembro de 1964; (Incluído pelo Decreto-lei nº 27, de 1966)" [13] "Foi alterado o texto dos seguintes artigos para o fim de constar: Art. 545. Os empregadores ficam obrigados a descontar da folha de pagamento dos seus empregados, desde que por eles devidamente autorizados, as contribuições devidas ao sindicato, quando por este notificados. (grifei) Art. 578. As contribuições devidas aos sindicatos pelos participantes das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas pelas referidas entidades serão, sob a denominação de contribuição sindical, pagas, recolhidas e aplicadas na forma estabelecida neste Capítulo, desde que prévia e expressamente autorizadas. (grifei) Art. 579. O desconto da contribuição sindical está condicionado à autorização prévia e expressa dos que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional, ou de uma profissão liberal, em favor do sindicato representativo da mesma categoria ou profissão ou, inexistindo este, na conformidade do disposto no art. 591 desta Consolidação. (grifei) Art. 582. Os empregadores são obrigados a descontar da folha de pagamento de seus empregados relativa ao mês de março de cada ano a contribuição sindical dos empregados que autorizaram prévia e expressamente o seu recolhimento aos respectivos sindicatos. (grifei) Art. 583. O recolhimento da contribuição sindical referente aos empregados e trabalhadores avulsos será efetuado no mês de abril de cada ano, e o relativo aos agentes ou trabalhadores autônomos e profissionais liberais realizar-se-á no mês de fevereiro, observada a exigência de autorização prévia e expressa prevista no art. 579 desta Consolidação. (grifei) Art. 587. Os empregadores que optarem pelo recolhimento da contribuição sindical deverão fazê-lo no mês de janeiro de cada ano, ou, para os que venham a se estabelecer após o referido mês, na ocasião em que requererem às repartições o registro ou a licença para o exercício da respectiva atividade. (grifei) Art. 602. Os empregados que não estiverem trabalhando no mês destinado ao desconto da contribuição sindical e que venham a autorizar prévia e expressamente o recolhimento serão descontados no primeiro mês subsequente ao do reinício do trabalho. (grifei)" [14] JORGE NETO, Francisco Ferreira; CAVALCANTE, Jouberto de Quadros Pessoa. Direito do Trabalho. 8. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2015. p. 1331. [15] "Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas, observado o disposto nos arts. 146, III, e 150, I e III, e sem prejuízo do previsto no art. 195, § 6º, relativamente às contribuições a que alude o dispositivo." [16] "Art. 13. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal, mediante documento único de arrecadação, dos seguintes impostos e contribuições: § 3º - As microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional ficam dispensadas do pagamento das demais contribuições instituídas pela União, inclusive as contribuições para as entidades privadas de serviço social e de formação profissional vinculadas ao sistema sindical, de que trata o art. 240 da Constituição Federal, e demais entidades de serviço social autônomo." [17] Lei nº11.64888 de 31 de março de 2008 - "Art.2ooo. Para o exercício das atribuições e prerrogativas a que se refere o inciso II do caput do art.1ooo desta Lei, a central sindical deverá cumprir os seguintes requisitos: I - filiação de, no mínimo, 100 (cem) sindicatos distribuídos nas 5 (cinco) regiões do País; II - filiação em pelo menos 3 (três) regiões do País de, no mínimo, 20 (vinte) sindicatos em cada uma; III - filiação de sindicatos em, no mínimo, 5 (cinco) setores de atividade econômica; e IV - filiação de sindicatos que representem, no mínimo, 7% (sete por cento) do total de empregados sindicalizados em âmbito nacional." [18] "Art. 590. Inexistindo confederação, o percentual previsto no art. 589 desta Consolidação caberá à federação representativa do grupo. § 3o Não havendo sindicato, nem entidade sindical de grau superior ou central sindical, a contribuição sindical será creditada, integralmente, à ‘Conta Especial Emprego e Salário’. (Redação dada pela Lei nº 11.648, de 2008)" [19] JORGE NETO, Francisco Ferreira; CAVALCANTE, Jouberto de Quadros Pessoa. Direito do Trabalho. 8. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2015. p.1330-1338. [20] "Art. 3ºº. Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada." [21] "Art. 8º. É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: IV - A assembleia geral fixará a contribuição que, em se tratando de categoria profissional, será descontada em folha, para custeio do sistema confederativo da representação sindical respectiva, independentemente da contribuição prevista em lei;" [22] "Art. 217. As disposições desta Lei, notadamente as dos arts 17, 74, § 2º e 77, parágrafo único, bem como a do art. 54 da Lei 5.025, de 10 de junho de 1966, não excluem a incidência e a exigibilidade: (Incluído pelo Decreto-lei nº 27, de 1966) I - Da"contribuição sindical", denominação que passa a ter o imposto sindical de que tratam os arts 578 e seguintes, da Consolidação das Leis do Trabalho, sem prejuízo do disposto no art. 16 da Lei 4.589, de 11 de dezembro de 1964; (Incluído pelo Decreto-lei nº 27, de 1966)" [23] "Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas, como instrumento de sua atuação nas respectivas áreas, observado o disposto nos arts. 146, III, e 150, I e III, e sem prejuízo do previsto no art. 195, § 6º, relativamente às contribuições a que alude o dispositivo. (grifei)" [24] "Art. 146. Cabe à lei complementar: (...) III - estabelecer normas gerais em matéria de legislação tributária, especialmente sobre: (...) Parágrafo único. A lei complementar de que trata o inciso III, d, também poderá instituir um regime único de arrecadação dos impostos e contribuições da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, observado que: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003) (...) III - o recolhimento será unificado e centralizado e a distribuição da parcela de recursos pertencentes aos respectivos entes federados será imediata, vedada qualquer retenção ou condicionamento; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003) (grifei)" [25] LOLASSO, Maria Izabel Lozenzetti. Contribuição Confederativa e Liberdade Sindical. São Paulo: Editora Unimar, 1999. p. 79-87. [26] JORGE NETO, Francisco Ferreira; CAVALCANTE, Jouberto de Quadros Pessoa. Direito do Trabalho. 8. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2015. p.1330. [27] SABBAG, Eduardo. Manual de Direito Tributário. 4. ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2012. p.506-509. [28] SÜSSEKIND, Arnaldo et al. Instituições de Direito do Trabalho: Volume II. 21. ed. São Paulo: Editora Ltr, 2003. 1605 p. [29] MARTINS, Ives Gandra da Silva. A contribuição sindical e sua natureza jurídica. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, SP, v. 81, n. 2, p. 88-106, abr./jun. 2015. Disponível em: https://hdl.handle.net/20.500.12178/95932>. [30] HORTA, Denise Alves et al. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: Reforma Trabalhista Principais Alterações. São Paulo: Editora Ltr, 2018. 445 p. 302-303. [31] DANTAS JÚNIOR, Aldemiro Rezende. Fim da Contribuição Sindical Obrigatória: Consequências para as entidades sindicais e categorias representadas. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, Belo Horizonte, p.271-287, nov. 2017. Semestral. Disponível em: ">https://juslaboris.tst.jus.br/bitstream/handle/20.500.12178/126611/2017_rev_trt03_especial.pdf?seque.... Acesso em: 06 ago. 2018. [32] MARTINS, Sergio Pinto. Contribuição Sindical e a Reforma Trabalhista. Revista Síntese Trabalhista e Previdenciária, São Paulo, v. 29, n. 338, p. 17-22, ago. 2017 Disponível em: http://www.bdr.sintese.com/AnexosPDF/RST%20338_miolo.pdf >. [33] HORTA, Denise Alves et al. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: Reforma Trabalhista Principais Alterações. São Paulo: Editora Ltr, 2018. p. 304 [34] LANDIM, Raquel. Sistema S ajuda sindicato patronal a viver sem imposto sindical. Folha de São Paulo. São Paulo, p. 1-1. 03 maio 2017. Disponível em: ">https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/05/1880554-sistemasajuda-sindicato-patronalaviver-sem.... Acesso em: 25 out. 2018. [35] HORTA, Denise Alves et al. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: Reforma Trabalhista Principais Alterações. São Paulo: Editora Ltr, 2018. p. 304 [36] "Art. 2ºº. Os trabalhadores e os empregadores, sem nenhuma distinção e sem autorização prévia, têm o direito de constituir as organizações que estimem convenientes, assim como o de filiar-se a estas organizações, com a única condição de observar os estatutos das mesmas." [37] PINTO, José Augusto Rodrigues. Tratado de direito material do trabalho. p. 670-691. [38] CASSAR, Vólia Bomfim. Direito do Trabalho. 14. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2017, p. 1245. [39] SIQUEIRA NETO, José Francisco. Liberdade sindical e representação dos trabalhadores nos locais de trabalho. p. 29 [40] "Art. 8 º - É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: I - A lei não poderá exigir autorização do Estado para a fundação de sindicato, ressalvado o registro no órgão competente, vedadas ao Poder Público a interferência e a intervenção na organização sindical." [41] NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Compêndio de direito sindical. 3. ed., p. 140-141. [42] "Art. 8 º - É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: V - Ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a sindicato." [43] RUPRECHT, Alfredo J. Relações Coletivas de Trabalho, p. 86. [44] HORTA, Denise Alves et al. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: Reforma Trabalhista Principais Alterações. São Paulo: Editora Ltr, 2018. p. 299. [45] "Art. 8 º - É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: II - é vedada a criação de mais de uma organização sindical, em qualquer grau, representativa de categoria profissional ou econômica, na mesma base territorial, que será definida pelos trabalhadores ou empregadores interessados, não podendo ser inferior à área de um Município;" [46] 224 - “Apesar de que os trabalhadores podem ter interesse em evitar que se multipliquem as organizações sindicais, a unidade do movimento sindical não deve ser imposta, mediante intervenção do Estado, por via legislativa, pois essa intervenção é contrária ao princípio incorporado nos arts. 2ºº e111 da Convenção n8777”. 225 - “Se é evidente que a Convenção não quis fazer da pluralidade sindical uma obrigação, pelo menos exige que isso seja possível em todos os casos”. [47] MARTINS, Sergio Pinto. Contribuição sindical pode ser alterada por lei ordinária federal. Revista Consultor Jurídico, [s. L.], p.1-1, 11 jun. 2018. Disponível em: ">https://www.conjur.com.br/2018-jun-11/sergio-martins-contribuicao-sindical-alterada-lei-ordinaria>.... Acesso em: 12 ago. 2018. Acesso em: 06 ago. 2018. BRASIL. Constituição (1934). Constituição Federal nº 1934, de 16 de julho de 1934. Brasília, DF, 16 jul. 1934. Disponível em: . Acesso em: 06 ago. 2018. BRASIL. Constituição (1988). Constituição federal 1988. 05 de Outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 06 ago. 2018. DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: LTR, 2010; OLIVEIRA NETO, Alberto Emiliano de. Contribuições Sindicais: Modalidades de Financiamento Sindical e o Princípio da Liberdade Sindical. São Paulo: Ltr Editora, 2010. SUSSEKIND, Arnaldo; MARANHÃO, Délio; VIANNA Segadas; TEIXEIRA, Lima. Instituições de Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, 2005. LOLASSO, Maria Izabel Lozenzetti. Contribuição Confederativa e Liberdade Sindical. São Paulo: Editora Unimar, 1999. 110 p. SABBAG, Eduardo. Manual de Direito Tributário. 4. ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2012. 1156 p. COSTA, Regina Helena. Curso de Direito Tributário. 7. ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2017. 488 p. OLIVEIRA, Francisco Antonio de. Manual de Direito Individual e Coletivo do Trabalho. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2000. 513 p. JORGE NETO, Francisco Ferreira; CAVALCANTE, Jouberto de Quadros Pessoa. Direito do Trabalho. 8. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2015. 1487 p. DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 11. ed. São Paulo: Editora Ltr, 2012. 1488 p. CASSAR, Vólia Bomfim. Direito do Trabalho. 14. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2017. 1353 p. RUPRECHT, Alfredo J. Relações Coletivas de Trabalho, p. 86. SIQUEIRA NETO, José Francisco. Liberdade sindical e representação dos trabalhadores nos locais de trabalho. P. 29 NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Compêndio de direito sindical. 3. ed., p. 140-141. MARTINS, Sergio Pinto. Direito do Trabalho. 30. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2014. 990 p. SÜSSEKIND, Arnaldo et al. Instituições de Direito do Trabalho: Volume II. 21. ed. São Paulo: Editora Ltr, 2003. 1605 p. PINTO, José Augusto Rodrigues. Tratado de direito material do trabalho. p. 670-691. RUSSOMANO, Mozart Victor. Princípios Gerais de Direito Sindical. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2002. 298 p. HORTA, Denise Alves et al. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: Reforma Trabalhista Principais Alterações. São Paulo: Editora Ltr, 2018. 445 p. BRASÍLIA. STF. STF prossegue nesta sexta-feira (29) julgamento sobre fim da obrigatoriedade da contribuição sindical. 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2018. BRASÍLIA. Stf. Stf. STF declara constitucionalidade do fim da contribuição sindical obrigatória. 2018. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2018. MARTINS, Sergio Pinto. Contribuição Sindical e a Reforma Trabalhista. Revista Síntese Trabalhista e Previdenciária, São Paulo, v. 29, n. 338, p. 17-22, ago. 2017 Disponível em: . BASSO, Maristela; POLIDO, Fabrício. A Convenção 87 da OIT sobre a liberdade sindical de 1948: recomendações para a adequação do direito interno brasileiro aos princípios e regras internacionais do trabalho. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, v. 78, n. 3, p. 124-219, jul./set. 2012 Disponível em: . MARTINS, Ives Gandra da Silva. A contribuição sindical e sua natureza jurídica. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, SP, v. 81, n. 2, p. 88-106, abr./jun. 2015. Disponível em: . MARTINS, Sérgio Pinto. Alguns aspectos sindicais da reforma trabalhista. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, SP, v. 83, n. 4, p. 326-336, out./dez. 2017. Disponível em: . RIBEIRO, Fabio Túlio Correia. A reforma trabalhista sob a ótica da cláusula de vedação ao retrocesso social, observada a força centrípeta das contingências econômicas : um novo round de uma velhíssima batalha. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, SP, v. 83, n. 4, p. 95-155, out./dez. 2017. Disponível em:">https://siabi.trt4.jus.br/biblioteca/acervo/Doutrina/artigos/Revista%20do%20TST%20v%2083%20n%204%202.... ARIOSI, Mariângela F. Os efeitos das convenções e recomendações da OIT no Brasil. Disponível em: . DANTAS JÚNIOR, Aldemiro Rezende. Fim da Contribuição Sindical Obrigatória: Consequências para as entidades sindicais e categorias representadas. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, Belo Horizonte, p.271-287, nov. 2017. Semestral. Disponível em:. Acesso em: 02 ago. 2018. CAVALCANTE, Marcos de Oliveira. O fim do imposto sindical compulsório como fator de maior representatividade sindical dos trabalhadores no Brasil. 2013. 62 f. Monografia (Especialização) - Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia, Departamento de Estudos, Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2018. ROCHA, José Ronaldo Alves; LINHARES, Felipe Augusto Félix. Um estudo sobre o impacto nos sindicatos com o fim da obrigatoriedade do recolhimento da contribuição sindical. Revista Jus Navigandi, [s. L.], p.1-1, ago. 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2018. MARTINS, Sergio Pinto. Contribuição sindical pode ser alterada por lei ordinária federal. Revista Consultor Jurídico, [s. L.], p.1-1, 11 jun. 2018. Disponível em: .... Acesso em: 12 ago. 2018. OLIVEIRA NETO, Alberto Emiliano de. Reforma trabalhista não tem capacidade de extinguir a contribuição sindical. Revista Consultor Jurídico, 11 mar. 2018. Disponível em: . [30] HORTA, Denise Alves et al. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: Reforma Trabalhista Principais Alterações. São Paulo: Editora Ltr, 2018. 445 p. 302-303. [31] DANTAS JÚNIOR, Aldemiro Rezende. Fim da Contribuição Sindical Obrigatória: Consequências para as entidades sindicais e categorias representadas. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, Belo Horizonte, p.271-287, nov. 2017. Semestral. Disponível em: . [33] HORTA, Denise Alves et al. Direito do Trabalho e Processo do Trabalho: Reforma Trabalhista Principais Alterações. São Paulo: Editora Ltr, 2018. p. 304 [34] LANDIM, Raquel. Sistema S ajuda sindicato patronal a viver sem imposto sindical. Folha de São Paulo. São Paulo, p. 1-1. 03 maio 2017. Disponível em: .... Acesso em: 12 ago. 2018.
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros advogados em Jundiaí (SP)

Carregando

ANÚNCIO PATROCINADO

Helen Rodrigues de Souza

Entrar em contato